SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE PIRACICABA

28 de abril é o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho

20 de Abril de 2018 • Romualdo Filho

Autoria: Alessandro José Nunes da Silva* e Sandra Renata Canale Duracenko*

OS ACIDENTES DE TRABALHO (AT) representam, para o empregado, “o desmonte traumático do seu projeto de vida”, com reflexo em toda a família. Os agravos são muitos, dentre eles destacamos os aspectos físicos, sociais e emocionais dos trabalhadores, mas também das relações sociais estabelecidas pelos serviços de Saúde, Ministério do Trabalho, Previdência Social, sindicatos dos trabalhadores e patronais, pelas empresas e pelo sistema judiciário de reparação de danos.

No Brasil, foram registradas 14.412 mortes acidentárias de 2012 a 2017, 3.8 milhões de acidentes, somando 305 milhões de dias perdidos de trabalho, com gasto de 26 bilhões em benefícios acidentários. (Dados apresentados pelo Smartlab de Saúde e Segurança no Trabalho). Os acidentes e a violência no Brasil são agravos que, pelo seu expressivo impacto na morbimortalidade da população, constituem-se em importante problema de saúde pública, sendo, portanto, objeto prioritário das ações do Sistema Único de Saúde, que, em conjunto com outros segmentos dos serviços públicos e da sociedade civil, deve continuar a buscar formas efetivas para o seu enfrentamento.

Em Piracicaba, os números também são expressivos com 7436 AT notificados com 13 mortes, sendo os maiores causadores desses AT fatais: 31% (04) a queda de altura, 31% (04) choque elétrico, 15% (02) Motocicleta, 15% (02) Veículos de Transporte e 8% (01) de agressão física, reforçando que estes AT ocorreram principalmente nos setores mais precários, fato que dificulta as ações de intervenção.

As ações de prevenção dos AT são discutidas, aprimoradas e desenvolvidas por meio da Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador (CIST) de Piracicaba, que tem como objetivo articular políticas e programas de interesse para a Saúde do Trabalhador, cuja execução envolva áreas compreendidas e não compreendidas no âmbito do SUS e propor às instituições e entidades envolvidas que, no âmbito de suas competências, atuem em torno de um projeto comum, afim de eliminar ou reduzir os riscos à Saúde do Trabalhador, visando à efetivação dos princípios do SUS.

A Prefeitura de Piracicaba através da Secretaria Municipal de Saúde desenvolve e apoia as ações do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador “Dr. Alexandre Alves” (CEREST Piracicaba) que promove uma atuação coletiva interinstitucional contribuindo, nos diversos setores produtivos, para melhorias no meio ambiente de trabalho, tais como:

. Investigação e intervenção nos casos dos AT fatais típicos identificados a fim de evitar novas ocorrências;
. Proteção de Máquinas, Movimentação de Carga, Instalações elétricas nas Olarias do município de Piracicaba e região;
. Regularização do controle de resíduos industriais, proteção de máquinas e movimentação de carga nas Marmorarias do município de Piracicaba e região;
. Intervenção para melhoria das condições dos alojamentos do setor rural e da Construção Civil;
. Ergonomia, Investigação de Acidente de Trabalho, Máquinas Perigosas, Reabilitação Profissional nos setores prioritários como . . Suporte Técnico ao Ministério Público do Trabalho;
. Desenvolvimento de ações para as melhorias nas Proteção coletivas para atividades de trabalho em altura nas edificações do setor de construção civil;
. Comunicação a população dos Riscos decorrentes de choque elétrico, concurso na rede pública de educação com o tema:
. “Eletricidade com Segurança”, avaliação de questões técnicas para redução dos acidentes;
Orientações aos Síndicos sobre medidas de Segurança a serem adotadas nos condomínios verticais principalmente em relação atividades de trabalho em altura;
. Desenvolvimento de ações para as melhorias nos ambientes climatizados em vários setores;
. Construção do Manual de Máquinas no setor de Papel e Papelão para auxiliar na regularização das proteções no setor.

O CEREST participa juntamente com as instituições na construção de políticas públicas e na preservação dos direitos sociais, mas “as reformas trabalhista e previdenciária”, ora em questão no país, trazem apreensões para os segmentos sociais que se preocupam com o aprofundamento da precarização do mundo do trabalho, com a fragilização do arcabouço de proteção à saúde do trabalhador, e consequentemente com o provável aumento do número e gravidade dos acidentes e doenças relacionadas ao trabalho.

*Alessandro José Nunes da Silva – Técnico de Segurança do Trabalho – CEREST Piracicaba
*Sandra Renata Canale Duracenko – Especialista em Epidemiologia em Saúde do Trabalhador – CEREST Piracicaba

‹ voltar